ESPAÇO LUZ. Rua S-6, quadra S-27, lote 06, n. 300. Setor Bela Vis

(62) 3255-8177

Interações farmacológicas
Dr Luciano Augusto de Jesus

A prescrição de dois ou mais fármacos pode produzir o indiferentismo farmacológico ou as interações farmacológicas.

 

A interação farmacológica, segundo a ANVISA, é definida como uma resposta farmacológica ou clínica à administração de uma combinação de fármacos. 

 

As interações farmacológicas podem ser benéficas, também chamadas de associações medicamentosas, ou nocivas.  

 

A maior incidência para interações farmacológicas está nos idosos, pacientes medicamente comprometidos (insuficiência renal, hepática ou cardíaca), asmáticos e diabéticos.

 

 

CLASSIFICAÇÃO DAS INTERAÇÕES FARMACOLÓGICAS

 

Interações farmacêuticas. Ocorrem fora do organismo, portanto antes da administração. São reações físico-químicas que inativam biologicamente os fármacos misturados. Sendo assim, alguns medicamentos não podem ser misturados antes da sua administração. Exemplo: gentamicina e penicilina.

 

Interações farmacocinéticas. São aquelas que ocorrem em alguma das etapas dos processos farmacocinéticos. Temos, então, as interações de absorção (alimento no estômago), de distribuição (anestésico local e adrenalina), de biotransformação (antibióticos e anticoncepcionais) e de excreção (penicilina e probenicida).

 

Interações farmacodinâmicas. São aquelas de ocorrência no mesmo receptor ou sítio de ação. Por exemplo: propranolol (beta-bloqueador) e adrenalina.

 

Interações de efeito. Fármacos exercem efeitos similares ou opostos sobre a mesma função do organismo sem interagir um com o outro. Exemplos: (AAS + anticoagulante oral) e  (Anti-hipertensivo + AINE).
 
 
VANTAGENS DO SINERGISMO FARMACOLÓGICO
 
•Aumento da eficácia farmacológica;
•redução dos efeitos tóxicos;
•aumento da duração de efeito;
•combinação de latência curta com duração de efeito prolongado;
•redução de resistência bacteriana;
•aumento da adesão ao tratamento.
 
VANTAGENS DO ANTAGONISMO FARMACOLÓGICO
 
• Anular efeito indesejável de certo fármaco (efeito corretivo);
• inativar intoxicação (antidotismo químico).